epilepsia

A epilepsia é uma doença crônica caracterizada por crises epilépticas espontâneas e repetidas, causadas por uma disfunção cerebral que provoca descargas elétricas anormais e excessivas. Existem várias formas de crises epilépticas, que nem sempre acontecem na forma de convulsão.

Numa convulsão, o paciente movimenta grosseiramente os membros, desvia aos olhos, e também ocorre perda de consciência. Um exemplo comum de crise epiléptica não convulsiva é a crise de ausência.

Todos nós apresentamos um limiar convulsivo

Se o estímulo for forte o suficiente, até mesmo o cérebro de uma pessoa que não possui epilepsia pode reagir de forma que milhões de neurônios transmitam um impulso elétrico ao mesmo tempo.

Como a maioria de nós desconhece a epilepsia, ainda existe um preconceito milenar de que esta doença é transmissível ou mesmo um problema espiritual. Por este motivo, mais de 70 milhões de pessoas no mundo possuem medo de assumirem publicamente que possuem a doença, frequentemente associada ao sentimento de solidão e de isolamento, que causam muito mais sofrimento do que a própria crise epiléptica.

A epilepsia e a cognição

A epilepsia geralmente não afeta a inteligência. As dificuldades de aprendizagem podem ocorrer por crises freqüentes e prolongadas, por efeitos colaterais dos medicamentos, ou por comorbidades, como déficit de atenção, depressão, ansiedade, etc.
Eventualmente uma pessoa com declínios cognitivos poderá ter epilepsia, mas isso não significa que a epilepsia seja a causa do problema. Ambos podem ser consequência de um comprometimento cerebral mais amplo.

Como agir diante de uma crise epiléptica?

Muitas pessoas têm dúvidas sobre como ajudar durante uma crise convulsiva em um paciente com epilepsia. Veja a seguir algumas recomendações:

  • Mantenha-se calmo e procure acalmar os demais;
  • Ponha algo macio sob a cabeça do paciente;
  • Remova da área objetos perigosos com os quais a pessoa eventualmente possa se ferir;
  • Deixe seu pescoço livre de qualquer coisa que o incomode;
  • Mexa a cabeça dele para o lado, para que a saliva flua e não dificulte a respiração;
  • Fique a seu lado até que sua respiração volte ao normal e ele se levante;
  • Não introduza nada em sua boca, nem prenda sua língua com colher ou outro objeto semelhante, pois não existe risco de o paciente engolir a língua. Não tente fazê-lo voltar a si e não lhe ofereça água durante a crise;
  • Não o segure na tentativa de mantê-lo quieto;
  • Se a crise se prolongar indefinidamente, se repetir, ou a pessoa não voltar a si, peça ajuda;
  • Se a pessoa for diabética, estiver grávida, machucar-se ou estiver doente durante a crise, chame uma ambulância.
Saiba mais Sobre a Epilepsia
Média 5 / 22 de Votos

Comente

Agendar
Consulta